Temporada 2018
novembro
s t q q s s d
<novembro>
segterquaquisexsábdom
293031 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
121314 15 16 1718
192021 22 23 24 25
26 27 28 29 3012
3456789
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
20
set 2018
quinta-feira 10h00 Ensaio Aberto
Ensaio Aberto: Volmer e Vondrácek


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Arvo Volmer regente
Lukas Vondráček piano


Programação
Sujeita a
Alterações
Carl NIELSEN
Sinfonia nº 4, Op.29 - A Inextinguível
Ludwig van BEETHOVEN
Concerto nº 3 Para Piano em Dó Menor, Op.37

 

Durante o Ensaio podem acontecer pausas, repetições de trechos

e alterações na ordem das obras de acordo com a orientação do regente. 

INGRESSOS
  R$ 12,00
  QUINTA-FEIRA 20/SET/2018 10h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa
CARL NIELSEN [1865-1931]
Sinfonia nº 4, Op.29 - A Inextinguível [1914-16]
ALLEGRO
POCO ALLEGRETTO
POCO ADAGIO QUASI ANDANTE
ALLEGRO
36 MIN
 
/INTERVALO
 
LUDWIG VAN BEETHOVEN [1770-1827]
Concerto nº 3 Para Piano em Dó Menor, Op. 37 [1800-2]
ALLEGRO CON BRIO
LARGO
RONDO
34 MIN
 
 
NIELSEN
Sinfonia nº 4, Op.29 - Inextinguível 
 
Para os hindus, a deusa Kali representa a essência da destruição e ao mesmo tempo da reestruturação, do recomeço, do princípio renovador. De certa maneira, apesar de não ter qualquer conexão com a filosofia ou a música da Índia, a Sinfonia nº 4 de Nielsen reflete essa noção em música. Escrita em tempos tenebrosos, em plena 1ª Guerra Mundial, ela é paradoxalmente afirmativa, poderíamos dizer até mesmo otimista. É música de energia peculiar e contrastes radicais, em que muitos motivos parecem interromper ou se sobrepor a outros, cada ideia sobrevivendo em meio a um caos sonoro, cheio de gritos, declamações, ameaças, explosões e conflitos, com tonalidades diferentes brigando pela predominância, em luxo contínuo, com um movimento desembocando no outro, sem interrupção. 
 
Ao escrever sobre sua obra, o próprio Nielsen definiu-a melhor do que qualquer teórico musical: “Música é vida. Assim que uma única nota soa no ar ou através do espaço, é resultado de vida e movimento; é por isso que a música e a dança são as expressões mais imediatas da vontade de viver. A sinfonia evoca as fontes de vida mais primitivas e a fonte do sentimento da existência; isto é, o que está por trás de toda a vida humana, animal e vegetal, tal como a percebemos ou a experimentamos. Não é um relato musical, do tipo programático, do desenvolvimento de uma vida dentro de um escopo limitado de tempo e espaço, mas um mergulho sem programa, até as camadas emocionais que ainda são meio caóticas e totalmente elementares. Em outras palavras, o oposto de todas as músicas de programa, apesar do fato de que isso soa como um programa. A sinfonia não é algo com um conteúdo de pensamento, exceto na medida em que a estruturação das várias seções e a ordenação do material musical são fruto da deliberação do compositor da mesma maneira pela qual um engenheiro configura diques e represas para a água durante uma inundação. É de certa forma uma expressão completamente irreflexiva do que faz os pássaros chorarem, os animais rugirem, balirem, correrem e lutarem, e os humanos gemerem, grunhirem, exultarem e gritarem sem qualquer explicação. A sinfonia não descreve tudo isso, mas sim a emoção básica que fica subjacente a isso tudo. A música pode fazer exatamente isso, essa é a sua qualidade mais profunda, seu verdadeiro domínio [...] porque, simplesmente sendo, desempenha sua tarefa. Pois é a vida, enquanto as outras artes apenas representam e parafraseiam a vida. A vida é indomável e inextinguível; a briga, a luta, a geração e o desperdício acontecem hoje como ontem, amanhã como hoje, e tudo se repete. Mais uma vez: a música é vida e, como ela, é inextinguível.” 
 
LAURA RÓNAI é doutora em Música, responsável pela cadeira
 de flauta transversal
na UNIRIO e professora
 no programa de Pós-Graduação em Música. 
É também diretora da Orquestra Barroca da UNIRIO. 
 
 
BEETHOVEN 
Concerto nº 3 Para Piano em Dó Menor, Op.37 
 
A utilização dos elementos mais simples do sistema tonal como temas está no âmago do estilo pessoal de Beethoven desde o início. No entanto, foi apenas gradualmente que ele se deu conta das implicações dessa opção. 
 
[...] 
 
O desenvolvimento contínuo perceptível na carreira de Beethoven é tão importante quanto suas descontinuidades, mesmo que estas sejam mais fáceis de descrever. É apenas quando se comparam obras distantes no tempo que as descontinuidades assumem um sentido demonstrável e convincente. 
 
O retorno de Beethoven aos princípios clássicos pode ser medido por essa descontinuidade quando se compara o Concerto Para Piano nº 3 em Dó Menor, de 1800, com o Concerto Para Piano nº 4 em Sol Maior, de 1808. Ambos baseiam-se fortemente em Mozart, mas de maneiras totalmente diferentes. 
 
O Concerto nº 3 está cheio de reminiscências mozartianas, em especial de um concerto no mesmo tom, o nº 24 KV 491, sabidamente admirado por Beethoven. O mais impressionante é a imitação da coda do KV 491, com o seu uso excepcional do instrumento solo tocando arpejos no final do primeiro movimento. Beethoven omite um ritornelo final após a cadenza e salta diretamente para a coda; os arpejos mozartianos são feitos de modo quase melodramático, com tímpanos tocando parte do tema principal. Nessa coda de magnífico efeito, apenas os arpejos não são temáticos, e isso torna seu caráter de empréstimo ainda mais evidente. 
 
Na seção de desenvolvimento, uma bela passagem que, curiosamente, não é temática, também se revela inspirada em Mozart, desta vez o Concerto Para Piano nº 15 em Si Bemol Maior KV 450. Mas é realmente o KV 491 que predomina nos detalhes temáticos, pelo menos no primeiro movimento. 
 
Não há, no entanto, nada mozartiano nesse movimento, exceto os empréstimos e as menções talvez inconscientes. O tutti orquestral que abre o movimento é interrompido por uma fermata dramática, antes da entrada do solo de piano; e é quase uma obra completa por si só, autossuficiente. Essa separação exagerada, que permite um relaxado desprendimento estrutural, tende a tornar a exposição solo uma forma ornamental do tutti, e não uma concepção nova e mais espetacular do material, como em Mozart. 
 
[2013] 
CHARLES ROSEN (1927-2012),
The Classical Style (W.W. Norton, 1971). 
Tradução de André Fiker.