Temporada 2019
março
s t q q s s d
<março>
segterquaquisexsábdom
2526272812 3
45678 910
111213 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
2526 27 28 29 30 31
1234567
jan fev mar abr
mai jun jul ago
set out nov dez
18
mai 2017
quinta-feira 21h00 Cedro
Temporada Osesp: Peleggi e Melnikov


Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo
Valentina Peleggi regente
Alexander Melnikov piano


Programação
Sujeita a
Alterações
Claude DEBUSSY
Berceuse Héroïque
Robert SCHUMANN
Concerto Para Piano em Lá Menor, Op.54
Pyotr I. TCHAIKOVSKY
Francesca da Rimini, Op.32 - Fantasia a partir de Dante
INGRESSOS
  Entre R$ 46,00 e R$ 213,00
  QUINTA-FEIRA 18/MAI/2017 21h00
Sala São Paulo
São Paulo-SP - Brasil
Notas de Programa

DEBUSSY
Berceuse Héroïque /O HERÓI/ COMPOSITOR TRANSVERSAL

 

Berceuse Héroïque é a segunda peça de Claude Debussy [Compositor Transversal] a ser apresentada na temporada 2017 da Osesp, e também a primeira a envolver diretamente a temática do “Herói” que será explorada ao longo do ano. Concebida originalmente para piano e orquestrada por Debussy ainda em 1914, a música foi dedicada a “sua majestade o Rei Alberto I da Bélgica e seus soldados” pouco depois do ataque das forças alemãs a Liège, no início da Primeira Guerra Mundial.


O caráter delicado de berceuse (canção de ninar) é proposto logo nos primeiros compassos, com o pulsar leve da harpa na região grave, dobrada por violoncelos e contrabaixos com surdinas. Sua porção “heroica” fica por conta da utilização do tema do hino da Bélgica na seção central da peça. Como é comum na escrita do compositor francês, o contraste na transição entre as partes é reforçado por uma seleção particular de notas. Se a melancolia da primeira parte é aqui associada à sonoridade das “teclas pretas” do conjunto cromático (os bemóis), a citação do hino é deslocada para as sete “teclas brancas”, as notas da escala de Dó Maior. Mas o timbre escuro de fagotes e trompas que envolve esse trecho evidencia a impossibilidade do triunfo.


No segmento final, as notas voltam a ser rebaixadas e a intensidade decresce. Ao longe um toque triste de trompete sonha com a resistência. A música se esvai. A Alemanha marcha em direção à França.

 

SERGIO MOLINA é compositor, Doutor em Música pela USP,
coordenador da Pós-Graduação em Canção Popular na FASM (SP)
e professor de Composição no ICG/UEPA de Belém.

 

 

SCHUMANN

Concerto Para Piano em Lá Menor, Op.54

 

Acostumado a compor peças para piano de pequeno formato, Schumann entregou-se, em 1841, ao desafio de conceber uma obra de fôlego para esse seu instrumento predileto e aparato orquestral, o que resultou numa Fantasia em Lá Menor. Quatro anos depois, em 1845, completou os movimentos faltantes, dedicando o (agora) Concerto ao pianista e compositor Ferdinand Hiller.


O “Allegro Affettuoso” inicial é aberto por uma curta e provocante introdução, da qual o piano já participa. Tem-se, então, nas madeiras e trompas, o tema fundamental do movimento em Lá Menor. É esse motivo que irriga o movimento inteiro com ímpeto, ora apresentado em tom maior, ora com seu ritmo engenhosamente modificado. Dessa maneira, Schumann consegue emprestar ao “Allegro”, a um só tempo, variedade e unidade, por meio de uma escrita que, pelo tom de liberdade, lembra uma autêntica improvisação.


O “Intermezzo: Andantino Grazioso” tem uma forma ternária simples (A-B-A), em cuja primeira parte solista e orquestra trocam frases curtas, marcadas pela clareza e pela transparência do acompanhamento. O episódio central (B) fornece a ideia contrastante, em Dó Maior: um generoso fio melódico a cargo dos violoncelos e, depois, dos violinos. Sobre ele, o solista risca arabescos. Antes do final do movimento, quando já se voltou à primeira parte (A), a orquestra surpreende fazendo reaparecer o tema principal do primeiro andamento, ligando o “Intermezzo” diretamente ao movimento final.


O “Finale” é um allegro efetivamente vivace. Baseia-se em dois temas principais de caráter diverso. O primeiro motivo, de perfil ascendente, é mostrado pelo piano nos primeiros compassos. O segundo tema aparece depois com ritmo inesperadamente assimétrico, que leva a música a soar titubeante. O oboé exibe, então, um motivo que o piano logo assimila. Sobre esse material, o compositor articula o brilhante final, fazendo uso de contrapontos e de jogos de iluminação conseguidos por meio de modulações inesperadas. A coda de encerramento mostra, uma vez mais, o motivo principal da obra, só que com tratamento rítmico diferente de tudo o que havia sido apresentado.

 

J. JOTA DE MORAES foi professor, jornalista e autor dos livros

O que é música e Música na Modernidade,

publicados pela Editora Brasiliense.

 

 

TCHAIKOVSKY
Francesca da Rimini, Op.32 - Fantasia a Partir de Dante/ TCHAIKOVSKY EM FOCO

 

Segunda peça de Tchaikovsky a ser interpretada na Temporada 2017 da Osesp, Francesca da Rimini foi estruturada como um poema sinfônico, inspirado no “Inferno” de A Divina Comédia, de Dante (1265-1321). Logo no início do “Canto 5”, detalhes da história de Francesca são introduzidos: “À entrada do segundo círculo do Inferno [...] Dante distingue na ventania um casal amoroso [...], são eles Paolo e Francesca, os cunhados adúlteros, surpreendidos e mortos pelo marido traído”. (1) 


Composta durante uma visita de três semanas que Tchaikovsky fez à Bayreuth de Richard Wagner, em 1876, a peça é um raro caso em que a influência do estilo do compositor alemão pode ser identificada na obra do compositor russo. Exemplo disso é a escrita altamente virtuosística das cordas, que tensionadas em seu agudo extremo desenham seguidas frases descendentes. A turbulência da atmosfera só será modificada cerca de oito minutos depois, quando uma melodia terna e expressiva, de dicção claramente tchaikovskiana, é apresentada nas cordas, logo após um lamento da clarineta. “Não há tão grande dor qual da lembrança de um tempo feliz [...]”, responde Francesca a uma indagação de Dante. (2) A cada repetição o colorido orquestral se modifica: madeiras sobre pizzicati das cordas, violoncelos em uníssono, diálogos entre harpa e corne-inglês.


Com a retomada do Allegro, a fúria orquestral volta avassaladora, densa e irreconciliável em sua sina, rumo à queda final. “Enquanto uma dizia seu amargor, chorava a outra alma e, como quem se esvai em morte, eu me esvaí de pena e dor, e caí como corpo morto cai.” (3)

 

1. ALIGHIERI, Dante. A Divina Comédia: Inferno. Tradutor de Italo Eugenio Mauro. São Paulo: Ed. 34, 1998, p 49.


2. Ibidem, p. 53.


3. Ibidem, p. 54.

 

SERGIO MOLINA é compositor, Doutor em Música pela USP,
coordenador da Pós-Graduação em Canção Popular na FASM (SP)
e professor de Composição no ICG/UEPA de Belém.


Leia sobre o compositor Claude-Achille Debussy no ensaio "A Revolução Suave de Claude Debussy", de Paulo da Costa e Silva aqui.


Leia sobre Pyotr I. Tchaikovsky no ensaio "Tchaikovsky, Sinfonista Patético", de Richard Taruskin, aqui.